Espaço Expositivo

A programação para um espaço expositivo amplia o âmbito do Centro de Artes de Águeda no que diz respeito à diversidade da oferta cultural, à criação e formação de públicos para novas abordagens artísticas, posicionando este equipamento cultural no circuito das artes visuais, paralelamente à programação performativa.

O espaço expositivo do CAA foi inaugurado com a exposição A Coleção (reloaded), com curadoria de João Silvério. Uma seleção de obras de conceituados artistas nacionais e internacionais, numa leitura abrangente e multidisciplinar do espólio que José Lima, industrial aguedense, desde cedo apaixonado pela arte contemporânea, reuniu ao longo da sua vida.

Seguiu-se Less is More, com curadoria de Emanuel Barbosa, numa visão da democratização dos veículos de duas rodas durante o século XX.

De seguida, explorámos novamente a Coleção Norlinda e José Lima através da ótica do comissário de exposições Miguel Amado em pois EU é um outro num conjunto de obras selecionadas que aborda assuntos e questões sociais. Os temas representados pelas obras enunciam sentidos políticos e históricos que produzem visões do mundo, permitindo um entendimento das múltiplas realidades da vida quotidiana.

Desde novembro do passado ano de 2018 e até abril de 2019, o Espaço Expositivo do Centro de Artes de Águeda acolheu Topography of Memory: uma exposição do artista Alexandre Baptista, com curadoria de João Silvério, que assinala os 30 anos de carreira do primeiro, percorrendo os meandros da memória do artista numa perspetiva auto-referencial, dando a esta o papel de motivo e esqueleto de toda a exposição.

De maio a novembro de 2019 esteve patente a exposição O Depósito Caótico: A Vida Social na Coleção Norlinda e José Lima , uma nova panorâmica do acervo de arte reunido pelo empresário José Lima, natural de Águeda e radicado em São João da Madeira através da ótica do comissário Miguel Amado. As obras expostas exploram problemáticas do quotidiano, enunciando uma crítica do real, através da sua livre associação, que cruza fronteiras temporais e geográficas e privilegia a discursividade e o signo político. 

Mais tarde, Bicicleta Motorizada surge como uma sequela de Less is More, mais uma vez sob o olhar de Emanuel Barbosa. Esteve patente entre dezembro de 2019 e março de 2020, tendo sido interrompida pela pandemia.

Em novembro de 2020, no contexto do ciclo O Desenho como Pensamento, o Espaço Expositivo recebeu Mais nada se move em cima do papel, com curadoria de Sara Antónia Matos. Esteve patente até maio de 2021.

Atualmente, é possível visitar Um Livro é uma sequência de espaços, uma exposição com curadoria de Luís Alegre e Sebastião Albuquerque e com a produção da Stolen Books.

O acesso ao espaço expositivo é gratuito, sendo que o CAA desenvolve um programa de visitação com diversos formatos possíveis, nomeadamente através de visitas guiadas para grupos, mediante marcação prévia.


Horário:

ter - sáb
14-19h

dom
14-18h