O GRANDE EMBRULHO

THORSTEN GRÜTJEN

SÁBADO, 27 JANEIRO 2018 | 16H00

AUDITÓRIO

CE: M/3

DURAÇÃO: 50 MIN

PREÇÁRIO:
Entrada Gratuita







O GRANDE EMBRULHO

SINOPSE

O Grande Embrulho é um espectáculo de circo contemporâneo que reúne as linguagens de clown, dança, música e manipulação de objectos em torno de um cónico saco de papel. Numa performance visualmente poética, o sentido funcional de ‘saco’ vai sendo desconstruído à medida que se revelam formas, texturas e sons deste objecto orgânico, vivo. Durante o encontro íntimo entre artista e objecto, o público é envolvido numa experiência sensorial universal que chega a todas as idades e culturas. Um espectáculo interactivo com uma forte mensagem ecológica ‘embrulhada’ em momentos de humor, surpresa e poesia.

1 saco de papel . 2 artistas . 5 sentidos

A memória de um tempo em que o comércio tradicional utilizava o papel como embrulho de produtos, inspira o nascer d’O Grande Embrulho. Como numa dança, o movimento liga artista, objecto e público, num jogo relacional com a matéria, que convida à reflexão sobre como as escolhas mais simples do dia-a-dia - como o momento em que decidimos por um saco de papel para envolver as nossas compras - se podem tornar pequenos-grandes gestos para a vida do nosso planeta

BIOGRAFIA

Thorsten Grütjen

é um malabarista com alma de clown e um alemão com alma lusa. A sua profissão já o acompanha há mais de 20 anos. Desde que chegou a Portugal, em 1992, o seu percurso artístico tem-se ramificado por várias linguagens - teatro físico, clown, malabarismo, técnicas de improviso e de manipulação de objetos. Colaborou durante uma década com a Casa Chapitô, integrando, paralelamente, outros projectos ligados às artes circenses e animações de rua. A paixão por viajar levou-o até outros países da Europa, participando em produções de cinema, festivais internacionais de teatro de rua e encontros de malabarismo, de onde arrecadou prémios com as suas personagens. Em 2006, concretiza um dos seus sonhos, colocando na estrada o seu palco-móvel, um projecto de descentralização cultural materializado por uma clássica carrinha Mercedes Benz que, em 2016, é recuperada e ganha o nome de “Caracol Cultural - Arte que Deixa Rasto”. Em 2014, surge o espectáculo “Cheio”, onde é intérprete a solo e coautor, a par com a coreógrafa Filipa Francisco, numa performance multidisciplinar que cruza as linguagens do Novo Circo, dança contemporânea e clown, com a chancela DGArtes. Neste ano de 2017, cria o seu projecto de circo contemporâno “O Grande Embrulho”, integrando, simultâneamente, o elenco do espectáculo “ Rastilho”, sob a direcção da coreógrafa Madalena Victorino.




Gil Abrantes

é um artista que respira música ou não fosse ele um saxofonista de profissão. Natural de Águeda, onde nasceu há 30 anos, exerce a sua arte de forma independente em produção de espectáculos e como músico-autor. Apesar da sua idade cronológica, Gil já soma 20 anos de experiência, ramificados pelos mais diversos projectos e geografias, como Espanha, Itália, França, República Checa e EUA (Jazz at Lincoln Center). A sua experiência como músico começa com o saxofone clássico e, mais tarde, embraça o saxofone Jazz, Funk, World e Pop Rock. Curioso e apaixonado pelo que faz, procura crescer continuamente participando em projectos de diferentes naturezas. Colabora nos álbuns “Belize Pedras Amarelas”, dos Dj’s China/Hugo Villanova; “Contracorrente”; “Orfeão de ÁGueda”, “Centenário”; “F.K. Punk Filarmónico”; “Os Azeitonas - Coliseu do Porto”. Participou em projectos de música de dança com os DJ’s China, Carlos Manaça, Hugo Villanova, King Bizz, Mário Marques, João Castro, Serginho, Manuel Coutinho. E deu asas à euforia com os espectáculos performativos “Fanfarra Kaustika”, “d’Orfanfa”, “Mala Fanfarra”, “Banda Móvel”. A sua versatilidade como músico passa também pela experiê ncia em formatos de Big Band, Brass Band, Música Tradicional Portuguesa e Solo Performance em Chill Out, Jazz, Funk e Pop Rock. Agora, ao lado do artista Tosta Mista – O Malabarista, como compositor e músico do seu novo espectáculo, Gil meteu-se n’”O Grande Embrulho”.

FICHA ARTÍSTICA

Criação
Thorsten Grütjen

Interpretação
Thorsten Grütjen

Músico
Gil Abrantes

Cenografia
Thorsten Grütjen

Adaptação ao Espaço Público
Thorsten Grütjen

Design de Luz
Paulo Brites

PARTILHAR: